maio 2018

You are currently browsing the monthly archive for maio 2018.

O textos sagrados são imprecisos. Antes de criar o céu, antes de criar a Terra, antes mesmo de criar a luz, Deus criou… a música – pois que foi inspirado por ela que depois Ele fez tudo tão belo (a parte feia normalmente é feito nosso).

Ele criou os sons, as notas que os representam, a infinitude das melodias. Depois, por uma questão prática, criou para si uma partitura – a primeira de todas – registrou tudo nela e a pôs no bolso de sua túnica. Os homens só viriam a descobrir o que é uma partitura muitos bilhões de anos depois (e por inspiração divina).

Então, o Criador mandou o Cosmos tocar música, pois que ela já havia sido criada, e foi se ocupar, feliz, das outras coisas. Uns dias depois (menos de 7), quando criava a Terra, Ele se atrapalhou com uma das mãos (muito grandes, as mãos dele) e quase derrubou no pequeno planeta a divina partitura. Mesmo sem cair ao solo, ela derramou, na Terra, uma nota – pois que naquele tempo partitura e nota não eram coisas, não eram nem papel nem tinta, mas, simplesmente, conceitos.

E Deus primeiro pensou em resgatá-la, mas depois até que gostou do imprevisto, muito raro para quem é onisciente. Então, deixou que aquela primeira nota pairasse na Terra, para ver no que dava. Ela ficou a vagar bilhões de anos, passou pela fase incandescente, pelas eras dos dinossauros, por toda a evolução das espécies, tudo sob o olho, enorme, do primeiro autor de todos.

Mesmo depois que apareceu o ser humano, aquela nota continuou a flutuar por um período. Isso tudo levou muito, muito tempo. Afinal, aquela nota era uma ideia, e portanto podia ser sem fim.

Um dia, sem nenhuma explicação, como acontece muito com as coisas divinas, aquela nota se fundiu à curiosidade e ao  encantamento dos seres humanos com as infinitas possibilidades de sensações e emoções do ato da viver. E como aquela nota vinha direto do Divino, quando ocorreu o contato com o humano ela se desdobrou naturalmente nas outras notas, suas irmãs, que já haviam sido criadas por Ele no princípio.

E foi assim que descobrimos a música.

Essa combinação meio mágica de coisas, essa energia meio da Terra, meio do universo, fez sucesso sobre o pequeno planeta. De alguma forma, e contra muitas forças, fez dele um lugar um pouco melhor.

E Deus gostou do resultado da experiência, Ele ficou olhando lá de cima, todo sorridente e orgulhoso do seu feito, de como sua ideia, seu conceito, deu bons frutos.

Embora muitos pensem que Ele é muito severo, foi também Ele que fez o humor e a alegria, e é por isso que Ele vibra quando a gente, aqui embaixo, se emociona ao som de uma canção ou melodia.

Dizem que Ele fala grego ou latim, mas não é verdade, Ele fala uma língua que ninguém sabe qual é, mas todo mundo entende, mas se Ele falasse português provavelmente diria a todos: “dancem”.

Talvez ele já tenha até dito. Não exatamente em português, mas naquela divina língua universal que cada hora, aqui na Terra, é traduzida num idioma diferente.

Porque num evangelho apócrifo, não oficialmente autorizado, mas bendito, há um trecho que diz assim:

- “Eu sou o Verbo, que dançando e brincando fez todas as coisas. Quem não dançar não conhecerá nada do que está sendo feito.”

Não parece um pensamento vindo, diretamente, do mesmo Criador que fez a música?

___________________________________________________________

Nota – Versão modificada de artigo originalmente publicado neste blog inspirado por, e dedicado a, Cyndi Lauper.