Quem sou eu

E eis que o jovem publicitário, vocação descoberta aos 16, confirmada na faculdade e desenvolvida desde então, descobriu-se também… redator.

A fluência com que as palavras vinham só precisava ser moldada pela criatividade, cuidadosamente cultivada, e pela elaboração trazida pela experiência de vida, única, insubstituível. Assim se fez. 

E quando o jovem mas já maduro redator abria ainda seu espaço na profissão, foi capturado pela convicção daquele velhinho algo ácido que sempre aparecia na televisão. Como era incisivo! Como era lúcido! Como era sábio! Foi se tornando irresistível.

E deu-se que o jovem publicitário buscou o velho sábio, e tanto percebeu-o jovem como descobriu-se velho frente a ele. Tratou de rejuvenescer. Pelos livros, todos. Em consultas, muitas. Como secretário, um tempo. Como colaborador, quando convocado. Como aluno, para sempre. E como amigo, enquanto a vida permitiu. Ela permitiu 15 anos.

Foram muitas e muitas conversas, abraços, sorrisos, olhares, conselhos e até críticas – das duas partes! – em uma relação cúmplice de apreciação mútua que deu a ambos o prazer da troca viva, da coinfluência assumida, do vínculo afetivo sem medo. O sábio via no aprendiz suas ideias aplicadas, vividas na juventude. E o aprendiz, bem, o aprendiz tornou-se amigo de seu mestre! Sentiu-se respeitado e admirado por ele.

Quando o aprendiz se fez professor, fosse do que fosse a aula, o mestre estava lá, assimilado nele. E em seu olhar para o outro. E em cada gesto. E em cada toque. E em cada texto. E em cada amor. Em toda relação. Mas longe de ser uma cópia: era o resultado de uma inspiração. Filho de espírito.

Um dia o mestre se foi, como desejara: dormindo. Como era jovem, foi cedo (mas sempre seria cedo para quem aqui ficou). E o aprendiz, respeitadas as diferenças, se viu mestre. Tornara-se uma espécie de curador, não o único, mas considerável, de um legado precioso.

O agora recém-mestre – portanto eterno aprendiz – seguiu o caminho do aperfeiçoamento. Estudou as expressões cientificamente. Refinou-se em conhecimento, percepção e contato, e especializou-se até mesmo nas interações que o evitam – as digitais. Sempre foi, afinal, um comunicador atuante, que se fez terapeuta. Corporal. Hoje, tudo se une numa coisa só.

O eterno aprendiz sou eu, Gustavo Barakat, e o mestre, meu mestre, é José Angelo Gaiarsa. Que sorte a minha.

 

  1. Heloisa’s avatar

    História compartilhada…emoção/sentimentos
    compartilhados…por que será que, a partir disso, identificamos essa irmandade? essa compreensão? essa identificação? Somos – todos – eternos e gratos aprendizes…

    Responder

Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>