fevereiro 2012

You are currently browsing the monthly archive for fevereiro 2012.

Vou te contar o segredo da publicidade.

Você não pode ser pueril, nem burro, nem bobo. Não pode subestimar quem te lê, assiste ou ouve. Não pode pensar que vai falar para idiotas, burros ou ignorantes. Lá no meio, pode até ter gente assim, mas o conjunto não o será. Para o conjunto, isso ofende. [ continua ]

Cyndi-like

A palavra, precisa, não existe. Existe o todo da sensação, da emoção, dos sentidos. Tudo fica menos completo falado do que visto. Menos completo dito do que vivido. Menos intenso lido ou ouvido do que tendo estado lá. [ continua ]

Tomou seu banho de sabonete líquido, comprado no Iguatemi. Enxugou-se com toalha felpuda, dada de presente pelo namorado. Decidiu-se por um pretinho básico, mas belíssimo, com todo o caimento perfeito que fez a fama da refinada grife. Escolheu um dos seus 25 sapatos, todos comprados em paixão à primeira vista, na vitrine. [ continua ]

Do outro lado da linha, a secretária disse:

- Gustavo? Doutor Gaiarsa quer falar com você.

Arrepiei de medo e entusiasmo. [ continua ]

Tipos

Há filmes de todos os tipos, para todos os tipos de pessoas (se é que pessoas podem ser classificadas em tipos). Existem filmes “tipo” de ação, “tipo” comédia, “tipo” romance, “tipo” comédia romântica. [ continua ]

Há muitos anos ouço essa.

A pessoa vai entrar na avenida, desfilar no maior carnaval do mundo. Ou então já desfilou. Pode ser num trio elétrico. Pode ser qualquer outro momento muito marcante, ou evento monumental. [ continua ]

Não sei se você sabe, mas espírito é “sopro”, “vento”. Pode ir conferir lá, na etimologia. Pode ir conferir lá na Bíblia, fazendo uma leitura mítica da Bíblia (e não, claro, ao pé da letra… pelo menos não tudo). [ continua ]

Talvez tenha passado despercebido pela produção. Talvez tenha faltado um bom coreógrafo. Talvez tenha sido corrido demais para dar tempo. Talvez ninguém tenha tido coragem de falar para ela. [ continua ]

O segurança

Passou por treinamento, malhava e sabia ser firme quando necessário. Fora treinado para olhar para a frente, para a plateia. Igual aos policiais militares que fazem segurança em clássicos de futebol: têm de ignorar o jogo e vigiar o público. [ continua ]

A maioria das pessoas (não digo os acadêmicos) aceitam que certas coisas que não podem ser exatamente descritas existem. Coisas, digamos, abstratas, ou de experiência subjetiva. [ continua ]

« Older entries