outubro 2011

You are currently browsing the monthly archive for outubro 2011.

Paradinha

Este blog ficará alguns dias de férias, no máximo até o fim dessa semana (talvez nem isso). Se você me dá a honra de gostar do que eu escrevo e veio aqui atrás do meu texto, tem mais de 120 posts disponíveis para explorar, todos escritos nos últimos meses. [ continua ]

Se você tem aí seus 40, 45 anos anos, de 45 anos para menos, há uma influência em sua vida que talvez você não conheça. Vou apresentá-la. É José Angelo Gaiarsa, meu mestre. [ continua ]

A teimosia é uma ferramenta do inseguro. Claro que todos somos inseguros em certa medida, mas dá para ver de longe quando a coisa chega ao patológico. [ continua ]

Perfect Cyn

Uma das coisas que diferenciam um fã de um fanático é a capacidade  de acreditar que seu “ídolo” pode ter falhas e defeitos – ou não. [ continua ]

A Globo decidiu que melhor que o Chico Pinheiro e a Mariana Godoy sentados é o César Tralli andando pra lá e pra cá. [ continua ]

Hoje faz um ano que Mestre Gaiarsa partiu. Cheguei à conclusão que nada que eu pudesse escrever agora superaria a força da emoção do que escrevi logo após sua partida. [ continua ]

Aproxima-se o primeiro aniversário da partida de meu mestre – o Mestre. Queria escrever algo especial no dia exato, não sei bem ainda o quê, nem se vou ser capaz. [ continua ]

E parece natural a um monte de gente uma pessoa que diz exercer a arte de cantar usar playback num show ao vivo.

Como assim? É sério? [ continua ]

Usuário frequente e entusiasta da Internet, tomo a liberdade de falar mal dela. Gente de mais talento provavelmente já disse isso. Digo também.

Saia do seu carro um pouco e viaje de metrô, ou de “busão”. Até mesmo a pé. Você vai ver, cada vez mais, pessoas com smartphones, iPhones, iPads, todas conectadas a alguém ou alguma coisa… que está lá longe. [ continua ]

A primeira vez que vi Mestre Gaiarsa foi pela TV, no fim dos anos 80, no extinto programa Canal Livre, apresentado por Silvia Poppovic. Nem fui muito com a cara daquele senhor, que falava com tanta propriedade, certa acidez e alguma impaciência sobre coisas que eram tão óbvias para ele. [ continua ]

« Older entries