agosto 2011

You are currently browsing the monthly archive for agosto 2011.

Não sou ingênuo o suficiente para pensar que o conteúdo publicitário possa existir independente de resultados. Ao contrário, a publicidade nasceu em função deles. Seu objetivo é vender. Ok. [ continua ]

Happy Cyn

A jornada pesa para todo mundo, cedo ou tarde. Todos tivemos, temos ou teremos momentos em que o desânimo quase encobre a esperança, a tristeza obscurece a alegria. Não é de surpreender, num mundo [ continua ]

Não atribuo à propaganda uma importância que ela não tem. Durante mais de 20 anos de profissão, já vi vários teóricos de todos os tipos atribuírem à comunicação publicitária um poder que sempre me pareceu [ continua ]

Deus e Gaiarsa

Mestre Gaiarsa tinha uma cisma com a autodefinição de Jeová (Deus,  no Velho Testamento): “eu sou aquele que é” ou “eu sou aquele que sou”, dependendo da versão. [ continua ]

Gente! Não é preguiça? Não é falta de repertório? Não é desconexão com a realidade? Porque o comercial do Fox Rock in Rio traz duas coisas que eu não consegui entender… [ continua ]

Cyndi flui

A voz se ergue do nada, do palco, da bancada de TV, do sistema de som do aeroporto. E quem está aberto para ouvir percebe que alguma coisa diferente está acontecendo ali. [ continua ]

Vamos separar duas coisas. Todo mundo que é bem alfabetizado supostamente sabe escrever. Dá para fazer uma redação contando as férias, compor cartas e e-mails, pensar em telas para apresentações em Power Point [ continua ]

Seriam 91

Era um dia para escrever sobre propaganda – essa dama da noite que me domina mais do que eu gostaria (e isso é um alto elogio às damas da noite). Mas aí passou de meia-noite e eu olhei para o calendário. Uma efeméride se impôs. [ continua ]

Naked Cyn

Quando o artista musical está lá em cima, no palco, ele fica nu. Nesta hora, se você olhar bem, se escutar bem, vai diferenciar os que têm a arte na alma e os que só tem a alma no bolso – e, portanto, não podem pôr alma na arte. [ continua ]

Um dos fantasmas que mais assombram os redatores é a “orientação” de cliente (leia-se ordem) para que o texto seja mais “vendedor”. “Faz mais vendedor”. [ continua ]

« Older entries