julho 2011

You are currently browsing the monthly archive for julho 2011.

Uma das muitas lições de Mestre Gaiarsa, talvez a mais importante, talvez a mais perigosa, talvez até a única e fundamental, pode ser resumida em uma frase: olhe para quem está perto de você. [ continua ]

Outro dia, numa autoentrevista imaginária, eu pensei o seguinte…

“- Você já escreve tanto, já passa o dia escrevendo para um monte de empresas, de marcas, já faz folhetos, anúncios, spots, e-mails, até filmes você faz. Por que, então, além de tudo isso você decidiu manter um blog? Não é ainda mais coisa para escrever?” [ continua ]

As “palpitações” dos inconvenientes obedecem a regras rasas de raciocínio e seguem a pasteurização estética do Photoshop. Assim, pensam eles, se você quer que o público se identifique com quem “estrela” o comercial de chocolate, coloque pessoas perfeitas, que não fazem caras nem bocas de fome ou vontade pela guloseima [ continua ]

Há forças que tomam conta de você independentemente da sua vontade. Há até estudos que dizem que as forças que atuam no seu corpo (ou que o seu corpo produz) nascem antes de você pensar. [ continua ]

Há décadas que os que gostam de números se indispõem com os que gostam de “arte” (texto e visual). Desde sempre a intolerância de ambos faz o que poderia se somar se diluir numa luta estéril por poder, prestígio [ continua ]

Relendo Briga de Casal – Lições de Amor, de Mestre Gaiarsa, me dou conta, de novo, de quanto o mundo se opõe ao amor. O Mestre bem ensinou que o amor derrete e solidariza [ continua ]

Muito fácil responsabilizar a criação pelo “desgaste” na relação com o cliente – essa entidade sagrada e sem defeitos, tão infalível quanto o papa, porque paga as contas. [ continua ]

A dificuldade de se derreter é um obstáculo à criação de coisas bonitas. Talvez exista mesmo uma linha tênue entre a sensibilidade e o sentimentalismo, entre a delicadeza de sentimento e a apelação para a pieguice. [ continua ]

Ao contrário do que muita gente pensa, eu não sou especialista em Cyndi Lauper. Não o tipo de especialista que sabe todas as músicas, de todos os álbuns, de cor. [ continua ]

Triste o atendimento que não sabe do que está falando. Que não tem a menor paixão, empatia ou simpatia por uma boa ideia, só por um bom cheque. [ continua ]

« Older entries